A economia baseada na produtividade

Por favor, assistam ao vídeo:

 

Conteúdo do vídeo:

“Olá, meu nome é Marcelo Medeiros, criador do blog mameconomia.com. Esta é a quadragésima publicação deste blog onde trato sobre como economia e finanças interferem na sociedade de um modo geral. A iniciativa de criar esse blog partiu da minha insatisfação não só com a forma com que o Brasil tem sido governado mas principalmente por perceber que está sendo criada uma polarização de pensamento entre os brasileiros semelhante ao que aconteceu durante a guerra fria. Uma verdadeira guerra ideológica entre comunistas e liberais.

Minha idéia é trazer o conhecimento da ciência econômica à tona para tentarmos fazer com que o nosso país ande para frente, e não para a direita ou esquerda. Em meu mestrado em economia no Brasil me aprofundei principalmente nas idéias de Keynes, Marx e Françoi Chesnais, enquanto que no doutorado na Califórnia fui exposto mais aos estudos neoclássicos, provenientes principalmente de Adam Smith e Milton Friedman, o qual pertence à escola de Chicago. Ou seja, tive acesso tanto a pensadores de esquerda como de direita, e justamente por conseguir identificar as falhas e as qualidades de ambas as ideologias, aos que me procuram recomendo a leitura de Von Misses para os comunistas, e a leitura de Françoi Chesnai para os liberais.

Me tornei liberal em 2009, quando nem se falava sobre liberalismo no Brasil, por acompanhar o processo político americano e ver a ascensão de Ron Paul com o surgimento do movimento chamado Tea Party. Descobri na época que um economista liberal chamado Peter Schiff havia previsto ainda em 2006 que havia uma bolha imobiliária nos Estados Unidos e que todos os investidores deveriam abandonar a bolsa e investirem em ouro, outros economistas riam dele mas dois anos depois a bolha finalmente explodiu, mostrando-se como a maior crise econômica da história recente. Na época os liberais culpavam o suporte que o governo americano dava à Fannie Mae e Freddie Mac, as quais eram os pilares das seguradoras financeira americanas. Pouco depois li a teoria do Regime de Acumulação Financeirizado de Chesnais, onde este previu a crise de 2008 com décadas de antecedência, afirmando que o epicentro da crise seria nos Estados Unidos, culpando toda a estrutura sistêmica da nossa economia pela crise, onde ele afirma que nosso modelo atual é baseado em juros, onde não existe uma relação real entre o que acontece na bolsa e o que ocorre na realidade. Isso é facilmente observável quando se percebe que as ações não variam de acordo com o que as empresas estão produzindo, mas por regras especulativas do que não passa de um jogo de alocação de recursos.

Eu acredito que Marx pecou principalmente por não perceber que o governo nunca representou os interesses reais da população ao longo da história, e que o governo em si, é um agente ganancioso. Nunca padeci do mal de ser socialista, e deixei de ser liberal depois de ler Chesnais chegando à conclusão também que o Estado precisa ser um agente regulador do mercado financeiro, criando leis que regulamentem as seguradoras financeiras e gerem mais transparência para os investidores para que estes saibam identificar quando uma empresa não está produzindo da forma que deveria, nesse modelo, os investimentos iriam para as empresas que estão produzindo, e não para as empresas que estão mascarando balanços financeiros. Um exemplo de criação de uma lei que padronizasse de forma mais detalhada balanços financeiros seria uma forma de regulação por parte do governo. Desenvolvi uma forma de analisar a economia identificando os interesses de cada agente dentro da sociedade

No meu blog você verá publicações onde eu mostro, por exemplo, quais são os interesses do governo, dos bancos comerciais, dos bancos de investimento, dos fundos de pensão e principalmente, qual deveria ser o interesse da população sobre a determinação da taxa Selic. Mostrando inclusive qual é a relação entre taxa Selic e inflação, evidenciando o câmbio nessa equação. Essa é uma forma diferenciada de estudar a economia, onde se pensa na economia global como se fosse uma estrutura composta por agentes gananciosos, onde todos buscam formas de angariar recursos e subjugar outros agentes também gananciosos, dividindo a sociedade em grupos com interesses excusos. O maior enfoque da minha análise está em um aprimoramento do sistema capitalista de forma que ele se torne baseado na produtividade,

Adam Smith em a riqueza das nações falou uma coisa muito importante, as únicas riquezas extraídas do Brasil por Portugal foram as mudas de batatas, essa visão baseada na produção efetiva é o que poderia beneficiar nossa população de um modo geral. Espero ter despertado o interesse de vocês, peço que entrem no blog mameconomia.com e cliquem no menu lista, onde estarão todas as 40 publicações que fiz até aqui. Peço também que curtam a página: www.facebook.com/mameconomia e cliquem em convidar amigos para curtir esta página. Vamos todos construirmos um país mais livre, justo e desenvolvido! Muito Obrigado!”

Mestre em Economia e Doutorando em Administração pela California International Business University. Atuou no mercado de capitais e derivativos entre 2004 e 2011 e como consultor nas áreas de Controladoria e Finanças do software de gestão SAP desde 2011 nas empresas: Applied Materials, Costco Wholesale, Anglo Gold Ashanti, Grupo Ferroeste, Tambasa, Usiminas, Eletropaulo, Celpa, Cemar, BRF, Leroy Merlin e Viapol. Curta a página MAM Economia no Facebook clicando na respectiva figura no menu direito da tela.

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *